segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Às vezes fico imaginando como seria se meu pai ainda estivesse por aqui...
Por quais caminhos eu teria percorrido, quem estaria na minha vida, o q eu estaria fazendo hoje.
Muitas coisas seriam mais fáceis, outras a gente iria bater de frente.
Acho que não estaria morando nessa casa.
Será que eu teria casado? Será que teria crianças brincando no chão da sala de estar?
Eu teria conhecido um pouco mais do mundo lá?
Será que eu seria quem eu sou hoje?
Será que eu saberia quem eu sou e o que vim fazer nesse mundo?
Tenho inúmeras perguntas e imagino de diversas formas como seria.
 Eu errei muito, tô aprendendo com cada um dos meus erros, tô crescendo.
Mas uma coisa não tenho dúvida, não teria esse buraco em mim.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Desisti de prometer à mim mesma que não iria abandonar esse lugar.
Porque o tempo vai e vem e logo eu acabo deixando de lado uma das coisas que eu mais deveria fazer, vomitar minhas neuras, minhas groselhas, fazer uso dessa terapia de graça.
Quase um ano!
O tempo foi amenizando algumas feridas, vieram novas, teve dia em que chorei até esgotar todo o estoque hidráulico.
Teve dia que ri aos montes.
Teve dia de amor.
Dia que segurar na mão trouxe sossego e acarinhou a alma.
Dias em que fui atrás de respostas, aquelas mesmas que espero há anos.
(sigo sem elas! aliás acho que fiquei até mais confusa)
Teve dia de atravessar mais fronteiras.
Dia de realizar sonho.
Dia de Beatle.
Teve dia de dar tchau e começar uma nova fase.
Dia de novos desafios.
Dias de não conseguir ficar quieta e dias de explodir.

Tem aqueles dias em que a saudade bate mais forte, quase arranca o coração do peito.
O tempo passa, e a saudade vai aumentando.
Mais gente que se vai. E mais gente que chega, e daí de vez em quando vem esse bichinho que te faz querer ter mais tempo com quem chegou.

Dia que você percebe que aquilo passou, ou está passando...
Dia de dizer que tanto você fez,tanto você afastou,tanto você negou e lutou contra mim que acho que você conseguiu!