sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Eu não faço ideia de que lugar era aquele. Deveria ser outra cidade, eu estava com o meu irmão, parecia que estávamos sentados numa mesa de bar, atentos pra TV, não sei se era algum jogo de futebol, último capítulo de novela...sei lá pq mas tivemos que sair dali e fomos correndo procurar outro lugar pra continuar assistindo à seja lá o que era.
A cidade/bairro/vila era de terra batida. Eu percebi quando saímos correndo e nos deparamos com um monte de gente que estava no que parecia ser uma praça. E em algum lugar ali, rolava um daqueles vídeos de retrospectiva, fotos antigas das pessoas, como aqueles vídeos que mostram nos casamentos.  Foi quando me dei conta do que estava acontecendo e quem eram as pessoas no vídeo. Começaram a formar rodas e "trenzinhos" e me colocaram no meio. Daí eu o vi.
Ele estava no miolo daquelas rodas. Eu queria sair correndo, mas quanto mais eu tentava fugir, mais iam me "jogando" pro centro.
Eu não queria que ele me visse ali. Tentava procurar o meu irmão, mas não conseguia enxerga-lo. Todo mundo parecia saber o que estava pra acontecer quando ele apareceu com um anel, se ajoelhou na frente dela, eu fui tentar correr, sair dali antes que ele visse. Mas alguma coisa aconteceu comigo, perdi o ar, o chão, parecia que tudo ia   rodar, quando ele me viu. Me olhou com aquela cara de " não acredito! Até aqui! O que vc tá fazendo aqui? Pq?"
Acho que cai. Não sei se cheguei a desmaiar. Lembro que não conseguia respirar. Eu tentava abrir os olhos, não conseguia. Mas ouvia falarem que eu não respirava direito. Que era pra ele me ajudar. Eu senti alguém chegando mais perto. Alguma coisa foi aquecendo ao meu redor. Tinha algo familiar no ar, o cheiro, a respiração...
Eu acordei.

Virei pro lado, voltei a dormir, eu estava naquele mesmo lugar, já acordada, sentindo que eu tinha chorado. Meu irmão estava ali perto, nós íamos embora (sei lá para onde), quando o vi no canto sentado, fui lá para agradecer por ter me ajudado, reanimado, ou seja lá o que tenha sido feito...conforme fui chegando perto vi que ele estava chorando. Aquilo acabou comigo! Naquele momento eu me senti culpada, com medo de ter feito alguma coisa que pudesse ter estragado o dia, a vida dele. Eu jamais faria uma coisa dessas. Por mais que eu devesse ter tomado alguma atitude, acho que seria muita sacanagem deixar pra fazer isso numa hora dessas, à essa altura. Acho que já é tarde demais.  
Devemos ter perdido o timing. A hora certa. 
Existe hora certa?
Não quero soar como um livro de auto ajuda. Estamos aqui para aprender, e a gente aprende errando, ou erra e não aprende nada.
O medo fala mais alto.
O medo falou mais alto. Aqui e lá.
E o que a gente faz com o medo?

Não sei se foi mesmo medo. Ou se foi só timidez. Ou se o medo se fez de timidez. 

Ah, sei lá...